terça-feira, 23 de maio de 2017

OS SOCIOPATAS ESTÃO À ESPREITA ENTRE NÓS, O PIOR DELES SÃO OS SOCIOPATAS-ALFA

Os sociopatas estão à espreita entre nós, pois se estima que entorno 3% dos homens e 1% das mulheres têm traços definidos de sociopatas. A sociopatia é denominada como “transtornos de personalidade antissociais”, que em regra apresentam comportamentos resultantes de um dano cerebral, abuso ou descuido na infância. Os psicopatas nascem e os sociopatas – são construídos socialmente e podem passar a vida toda como pessoais normais, sem ninguém se dar conta.

Os sociopatas são instáveis emocionalmente e impulsivos. E quando cometem crimes, violentos ou não violentos, agem sem preocupação, deixando rastros por onde passam. O que importa para esses indivíduos – é apenas o seu mundo particular, mesmo assim atuam de modo imoral e nada disso traz arrependimentos. 

Na maioria das vezes tais criaturas são solitárias, embora possam ser pessoas carismáticas.  A percepção deles das coisas erradas ou certas se baseiam nas expectativas do seu grupo social. A sociopatia não se trata de uma doença psíquica no sentido correto do conceito, mas de atitudes consideradas pela maioria da sociedade como antissociais ou criminosas.

Além disso, os sociopatas são egocêntricos e trapaceiros. E quando pegos acreditam de que isso não passa de pormenores, não impedindo que eles pratiquem as mesmas ilicitudes. Seus traços se constituem como patológicas, podemos citar alguns:

  • Alheios à moral;
  • Levianos por natureza;
  • Usurpadores e enganadores;
  • Incapazes de amar;
  • Possuem atitudes emocionais ridículas;
  • Nunca sentem vergonha;
  • Não aprendem com os erros do passado;
  • Têm uma vida sexual repulsiva;
  • Usam bebidas alcoólicas ou entorpecentes.

Esses aspectos mostram que os sociopatas se alteram com facilidade, devido as dificuldades de se adaptarem ao trabalho e continuarem num único lugar. A maioria dos crimes praticados por essa gente não tem planejamento, porque para eles as pessoas – são vistas como descartáveis em todos os sentidos.

Os políticos são os sociopatas-alfa, ou seja, os piores deles, por serem escandalosamente corruptos, antes eram adorados pelos seus eleitores, idolatrados pelos seus partidários e protegidos pelos formadores de opinião. Eles para se manter no poder – constrangem as empresas e as pessoas, com o intuito obter apoio político e financeiro, mesmo estando presos. Aliás abusam das brechas das leis, pois são peritos em distorcer a ordem jurídica e econômica, como objetivo de favorecer os grandes grupos empresariais.

Enfim esses indivíduos estão à espreita entre nós, com a intenção de praticar seus desatinos e delitos. Mas sociopatas comuns quase sempre deixam a “casa cair”, virando casos de polícia e os sociopatas-alfa quando deixam a “máscara cair”, os escândalos viram palco da comédia e da tragédia grega. Hoje não é difícil reconhecer tais criaturas, que precisam ser impedidas para – não mais causar prejuízos as suas vítimas e ao nosso País.




Jackson César Buonocore Sociólogo e Psicanalista

sábado, 20 de maio de 2017

Eu não ajudo a minha esposa.

Um amigo veio a minha casa tomar café, sentamos e conversamos, falando sobre a vida. A um certo ponto da conversa, eu disse: “Vou lavar os pratos e volto num instante”.
Ele olhou para mim como se eu lhe tivesse dito que ia construir um foguete espacial. Então ele me disse, com admiração mas um pouco perplexo: “Ainda bem que você ajuda a sua mulher, eu não ajudo porque quando eu faço a minha mulher não elogia. Ainda na semana passada lavei o chão e nem um obrigada.”
Voltei a sentar-me com ele e lhe expliquei que eu não "ajudo" a minha mulher. Na verdade, a minha mulher não necessita de ajuda, ela tem necessidade de um companheiro. Eu sou um sócio em casa e por via dessa sociedade as tarefas são divididas, mas não se trata certamente de uma "ajuda" comas tarefas de casa.
Eu não ajudo a minha mulher a limpar a casa porque eu também vivo aqui e é necessário que eu também a limpe.
Eu não ajudo a minha mulher a cozinhar porque eu também quero comer e é necessário que eu também cozinhe.
Eu não ajudo a minha mulher a lavar os pratos depois da refeição porque eu também uso esses pratos.
Eu não ajudo a minha mulher com os filhos porque eles também são meus filhos e é minha função ser pai.
Eu não ajudo a minha mulher a lavar, estender ou dobrar as roupas, porque a roupa também é minha e dos meus filhos.
Eu não sou uma ajuda em casa, eu sou parte da casa. E no que diz respeito a elogiar, perguntei ao meu amigo quando é que foi a última vez que, depois da sua mulher acabar de limpar a casa, tratar da roupa, mudar os lençóis da cama, dar banho em seus filhos, cozinhar, organizar, etc., ele lhe tinha dito obrigado?
Mas um obrigado do tipo: Uau, querida!!! Você é fantástica!!!
Isso te parece absurdo? Está te parecendo estranho? Quando você, uma vez na vida, limpou o chão, você esperava no mínimo um prêmio de excelência com muita glória… Porquê? Nunca pensou nisso, amigo?
Talvez porque para você, a cultura machista tenha mostrado que tudo seja tarefa dela.
Talvez você se tenha sido ensinado que tudo isto deva ser feito sem que você tenha de mexer um dedo? Então elogia-a como você queria ser elogiado, da mesma forma, com a mesma intensidade. Dá uma mão, SE COMPORTE COMO UM VERDADEIRO COMPANHEIRO, NÃO COMO UM HÓSPEDE que só vem comer, dormir, tomar banho e satisfazer as necessidades sexuais… Sinta-se em casa. Na sua casa.
A mudança real da nossa sociedade começa em nossas casas, vamos ensinar aos nossos filhos e filhas o real sentido do companheirismo!"

domingo, 14 de maio de 2017

Mães não morrem como as outras pessoas – elas são tiradas de nós, abruptamente, sem aviso, porque nunca estaremos preparados para enfrentar a vida sem elas. E então vamos nos agarrando dolorosamente às memórias, às fotos, filmes, cartas e à certeza de que teria sido muito pior se tivéssemos sido nós tirados delas, tentando nos consolar e aprumar nosso navio que parece navegar à deriva de nós mesmos, enquanto experenciamos os ambientes sem a sua presença e nos consolamos com as suas visitas em nossos sonhos. E, nesse processo de luto, somos obrigados a aprender a viver somente de nós mesmos, sem a ternura, a bravura, a cafonice e a sabedoria de um de nossos sustentáculos emocionais mais preciosos. Enfim a dor, burilada e mitigada, transforma-se em saudade contida e em gratidão por termos sido filhos das melhores mães do mundo.

- Marcel Camargo

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Eu vi você se apaixonar por outra, como uma espectadora viciada acompanhei tudo desde o início, cada marcação, cada foto, cada check-in, cada post.
Eu vi você seguir sua vida e se entregar a uma outra paixão, eu sei, poderia ter parado de seguir, excluir ou bloquear. Mas eu continuei vendo porque eu não podia suportar a ideia de não saber nada de você. Então eu vi, capítulo por capítulo, acompanhei com fervor de quem acompanha uma nova temporada da sua série favorita. É que eu só não conseguia me desprender da ideia de que você era absolutamente necessário na minha vida. Eu precisava de você, mesmo que dessa forma !
Até que não tinha mais nada, eu não lembro exatamente quando foi, mas eu parei de buscar, minha time line ficou repleta de posts aleatórios, que nada me lembravam você, vídeos de gatinhos, comida, músicas, coisas que me distraíam o suficiente pra que toda vez que eu pegasse o celular não lembrar de te procurar…
(…)

quinta-feira, 11 de maio de 2017

O PODER DA ARROGÂNCIA

Um policial federal vai a uma fazenda e diz ao dono, um velho fazendeiro:
- “Preciso inspecionar sua fazenda. Há uma denúncia de plantação ilegal de maconha.”

O fazendeiro diz:
- “Ok, mas não vá naquele campo ali.”

E aponta para uma determinada área.

O oficial P... da vida diz indignado:
- “O senhor sabe que tenho o poder do governo federal comigo?”

E tira do bolso um crachá mostrando ao fazendeiro:
- “Este crachá me dá a autoridade de ir onde quero.... e entrar em qualquer propriedade. Não preciso pedir ou responder a nenhuma pergunta. Está claro? Me fiz entender?”

O fazendeiro todo educado pede desculpas e volta para o que estava fazendo.

Poucos minutos depois o fazendeiro ouve uma gritaria e vê o oficial do governo federal correndo para salvar sua própria vida perseguido pelo Santa Gertrudes, o maior touro da fazenda.
🏃🏽💨💨💨 🐂

O fazendeiro larga suas ferramentas, corre para a cerca e grita:

- 📢"O Crachá, mostra o CRACHÁ!👨🏽‍🌾🤷🏽‍♂ 😳

😂😂😂😂😂😂😂